mg.abra

"A gastronomia mineira perde uma de suas maiores protagonistas", diz o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci



A cozinheira Dona Lucinha, que dá nome a uma das principais redes de restaurantes de BH, morreu aos 86 anos nesta terça-feira (9). Um dos funcionários da casa, que tem como especialidade a comida mineira, informou que as unidades ficarão fechadas por motivo de luto ao longo desta terça. Ainda não há informações sobre a causa da morte e quando será o velório.

O restaurante Dona Lucinha tem duas unidades em Belo Horizonte, uma na Savassi e outra no bairro Funcionários, ambos na região Centro-Sul da capital. Além disso, a casa também tem uma loja em São Paulo.


Para o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci, Dona Lucinha fará muita falta. "A gastronomia mineira perde uma de suas maiores protagonistas. Dona Lucinha tinha como missão preservar a cozinha de origem e fez isso com imensa maestria. Com seu espírito agregador, sempre trabalhou junto com a Abrasel e outros tantos para elevar a gastronomia mineira à níveis internacionais, hoje reconhecida e respeitada. Ela deixa um legado de profissionalismo e exemplo de mulher guerreira, uma verdadeira artista em sua área e empreendedora de enorme prestígio", diz.

Legado

Dona Lucinha nasceu no Serro, município da região Central do Estado a cerca de 240 km de BH. Nos anos em que viveu em sua terra natal, atuou de formas múltiplas e, mesmo mãe de onze filhos, foi catequista, professora, salgadeira, doceira, feirante, quitandeira, diretora escolar e vereadora.

Ela se considerava uma cozinheira dedicada a fazer, compreender e preservar a cozinha de origem. Dona Lucinha era considerada, dentro e fora do Brasil, a maior representante da Cozinha de Minas. “Estar na cozinha, para mim, é estar feliz e realizada. É poder colocar o amor na panela e isso é muito bom. O amor ajuda a fermentar, é um fermento que faz crescer, mais do que qualquer outro”, diz a cozinheira no vídeo institucional da rede.

Fonte: BHAZ

Comentários