Para o visitante, blocos de rua e o público participante foram os principais pontos positivos do carnaval na capital mineira.

Os blocos de rua foram a grande atração do carnaval de Belo Horizonte. Foi o que disseram 36,2% dos foliões que participaram do evento na capital. O dado foi retirado de pesquisa realizada pela Secretaria de Estado Turismo – Setur, em parceria com a Belotur. Em segundo lugar ficou o público (21,4%), seguido pela alegria/animação das pessoas (9,9%).

Com o objetivo de traçar o perfil dos visitantes e moradores de Belo Horizonte que participaram do carnaval em 2016, a pesquisa analisou, dentre outros aspectos, a motivação que levou o folião a permanecer na capital e que trouxe o turista para participar da festa. Além disso, diagnosticou-se o nível socioeconômico, as expectativas em relação aos produtos e serviços da cidade e a satisfação do público em relação ao evento.

De acordo com a pesquisa, 16,6% do público presente eram visitantes. Destes, a maioria (61%) veio do interior de Minas Gerais, seguido pelos estados de São Paulo (14,6%), Espírito Santo (6,1%) e Rio de Janeiro (4,9%). Já 3,7% dos visitantes vieram do exterior.

Parte do público era do sexo feminino, faixa etária entre 25 e 30 anos, com ensino superior, assalariados e solteiros. Já 12,7% dos entrevistados afirmaram fazer parte da comunidade LGBT e 78,4% não fazem parte da comunidade, mas apoiam a mesma, o restante de 8,8% não fazem parte e não apoiam. O evento se destacou também por ter conseguido atrair visitantes de diferentes faixas de renda. Grande parte dos moradores passou o carnaval com amigos (63,3%) ou cônjuge/namorado (23,5%), enquanto 24% dos visitantes foram acompanhados por familiares e 61,7% curtiram a folia acompanhados além dos amigos.

Em relação à hospedagem, 73,9% dos visitantes ficaram em casa de amigos ou parentes. Os moradores participaram, em média, 3,4 dias no evento enquanto que os visitantes participaram de 3,6 dias.

O gasto médio dos visitantes foi de R$ 569,83 durante todos os dias de evento, gerando uma receita turística direta para Belo Horizonte de aproximadamente R$ 54,7 milhões, 233,5% acima do valor de 2015. Estima-se que a capital tenha recebido aproximadamente 96 mil turistas, 124% acima do ano passado. Grande parte desses visitantes escolheu Belo Horizonte como destino no carnaval por ser motivada pelos amigos e familiares (45,7%). Já o número absoluto de moradores que participaram do carnaval cresceu 43% em relação a 2015, totalizando em 2016 um valor aproximado de 482 mil pessoas.

Parte considerável do público participou do carnaval de Belo Horizonte pela primeira vez (26,7% dos moradores e 68,3% dos visitantes), sendo que para a maioria do público já havia participado do carnaval na capital, a edição de 2015 foi superior às edições anteriores (68,4% para moradores e 60% para os visitantes).

Em uma escala de 01 a 10, os moradores e visitantes avaliaram os principais quesitos do carnaval em Belo Horizonte com uma nota média de 6,7 pontos, com destaque para os blocos de rua, locais do evento e horários. Em média, cada folião participou de 03 blocos de rua durante o evento. Para os visitantes, o maior destaque foi a qualidade dos hotéis e pousadas (8,6).

Para 96,8% dos moradores e 93,6% dos visitantes pretendem participar de uma próxima edição do evento em Belo Horizonte. Além disso, para 98,6% do público geral o carnaval da cidade possui potencial para atrair turistas.

Em uma avaliação dos moradores, os principais impactos do evento para a sociedade de Belo Horizonte são positivos: 43,9% disseram que o principal impacto está relacionado divulgação da cidade e 41,3% na valorização da cultura local. E em uma escala de 01 a 10, os moradores avaliaram os benefícios gerais do carnaval para a comunidade em 08 pontos.

Carnavais em outros municípios também foram analisados, 15,2% dos moradores participaram, enquanto esse valor foi de 21% para os visitantes. Os municípios mais citados foram Ouro Preto, Diamantina, Itabirito e Sabará. Outros atrativos turísticos de BH, fora da programação do carnaval, também foram visitados, totalizando 40% dos visitantes, e 8,6% dos mesmos afirmaram terem contratado algum serviço de agências de viagens antes ou durante o evento.

A pesquisa foi realizada entre os dias 06 e 09 de fevereiro de 2016. Foram aplicados 493 questionários em oito blocos de rua e o estudo possui uma margem de erro de 4,4%.

A pesquisa está disponível para consulta no site:

http://www.minasgerais.com.br/observatorioturismomg