Câmara Ítalo-Brasileira de MG, em parceria com o Consulado da Itália, certifica restaurantes italianos

Com o objetivo de preservar e valorizar a qualidade, a imagem e a tradição da hospitalidade italiana e de seus produtos, a Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio e Indústria de Minas Gerais, em colaboração com o Consulado da Itália em Belo Horizonte, realizou no dia 2 de fevereiro, no Consulado da Itália em Belo Horizonte (MG), a 5ª edição do Ospitalità Italiana – Ristoranti Italiani nel Mondo, quando entregou certificados de qualidade para os estabelecimentos com fortes características italianas no Estado.

Para o evento deste ano, seis restaurantes de Belo Horizonte foram recertificados: Domenico Trattoria e Pizzeria, Est!Est!!Est!!! Autentica Cucina Italiana, L’Osteria Casa Mattiazzi, Provincia di Salerno, Sapore D’Italia e Villa Roberti. Outros dois restaurantes receberam, pela primeira vez, o selo Ospitalità: Barolio e Nonna Carmela.

Em discurso, durante a cerimônia, Valentino Rizzioli, presidente da Câmara Ítalo-Brasileira, destacou a real importância da certificação. “O Ospitalità veio para expandir a gastronomia italiana, bem como valorizar os alimentos originados no país. Mas não tenho dúvidas de que ele vai mais além. Ele é um atestado do ‘Made in Italy’. Por meio dele, conseguimos, de maneira efetiva, difundir a gastronomia e os verdadeiros costumes italianos, fazendo algo essencial para as relações entre os países e suas populações: promover a interação entre os povos. E não tenho dúvida de que a gastronomia é, na prática, um dos melhores exemplos que temos hoje. Pois não existe forma melhor de reunir as pessoas do que em volta de uma bela mesa,” declarou Rizzioli.

Criado em 1997, na Itália, o certificado de qualidade surgiu da necessidade de se classificar os estabelecimentos do próprio país. Já o atestado do selo no exterior da Itália iniciou-se em 2010. Desde então, está presente em 54 países, com mais de 1.700 estabelecimentos certificados em todo o mundo.

O Ospitalità Italiana é uma realização da União das Câmaras de Comércio na Itália (Unioncamere) e do Instituto de Pesquisas Turísticas (Isnart). Desde 2009, em território mineiro, a Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio e Indústria de Minas Gerais é responsável por recolher informações, fotos e depoimentos, que são rigorosamente avaliados pelo comitê competente na Itália.

Para receber o selo 2015, os selecionados foram aprovados em requisitos, que englobaram desde a utilização de produtos oriundos da Itália, como vinhos e azeites, passando por pratos que sejam fiéis a receitas do país, até a presença de um funcionário com conhecimento do idioma italiano.

Confira os restaurantes certificados:

Barolio: Avenida Fleming, 240, Ouro Preto – Belo Horizonte (MG)

Domenico Trattoria e Pizzeria: Rua Cláudio Manoel, 583, Funcionários - Belo Horizonte (MG)

Est!Est!!Est!!! Autentica Cucina Italiana: Av. Getúlio Vargas, 107, Savassi - Belo Horizonte (MG)

L’Osteria Casa Mattiazzi: Rua Soledade, 26, Santa Efigênia - Belo Horizonte (MG)

Nonna Carmela: Rua Antônio de Albuquerque, 1607, Lourdes - Belo Horizonte (MG)

Provincia di Salerno: Rua Maranhão, 18, Santa Efigênia - Belo Horizonte (MG)

Sapore D’Italia: Rua Mestre Luiz, 64, São Pedro - Belo Horizonte (MG)

Villa Roberti: Avenida Celso Porfírio Machado, 1520, Belvedere - Belo Horizonte (MG)


Confira os requisitos avaliados pelo júri nesta edição:

1- Identidade: a decoração e a identidade visual devem conter elementos que remetam à Itália.
2- Acolhimento: o restaurante deve ter, ao menos, uma pessoa que saiba se relacionar com o público no idioma italiano.
3- Mise en place: deve obedecer as regras de montagem da mesa italiana (disposição dos pratos e talheres,  taças apropriadas para cada bebida, entre outros).
4- Cardápio: escrito em língua italiana e divido por categoria dos pratos (antipasti, primi, secondo, entre outros).
5- Proposta enogastronômica: o percentual de pratos e receitas da tradição italiana contidos no cardápio deve ser superior a 50%. Os produtos utilizados na preparação dos pratos devem ser de origem italiana.
6- Carta de vinhos: mínimo de 30% dos vinhos devem ser italianos. Deve conter pelo menos 5 vinhos DOP ou IGP italiano. Indicação no cardápio do nome do produtor e da região da produção.
7- Azeite Extravirgem: deve ser sempre servido aos clientes azeite extravirgem DOP / IGT italiano.
8- Experiência e competência da cozinha italiana: currículo do chef de cozinha.
9- Produtos enogastronômicos de qualidade comprovada: o restaurante deve utilizar produtos DOP ou IGP na preparação dos pratos ou para servi-los diretamente.

*Nota: DOP – Denominação de Origem Protegida / IGT – Indicação Geográfica Típica